Grande Prémio das Vindimas – Douro de Orientação

10 10 2009
DSC02312

O Douro visto da vila do Pinhão.

Uma prova organizada pelo OriMarão é para mim significado de grandes mapas de montanha! Provas no belíssimo Alvão são a sua marca. Desta vez fomos para os lados de Alijó, em plena região do Douro vinhateiro. Uma região bastante diferente do Parque Natural do Alvão mas também ela belíssima.

No sábado decorreu a prova de distância média, 4,5Km. O terreno era marcado por muitos pormenores rochosos, alguns muros e reduzida rede de caminhos. O mapa revelou-se demasiado aberto para o meu gosto, principalmente na área dos loops o que permitiu que os atletas em melhor forma se destacassem claramente. A prova acabou por correr mal, principalmente no aspecto físico. Apesar da falta de treino não costumo sentir muitas dificuldades em provas de distância média, no entanto, desta vez senti-me bastante mal fisicamente e tive de fazer uma parte considerável da prova a passo (entre o ponto 3 até ao final do primeiro loop, ponto 11). Julgo que isto se ficou a dever à altitude em que a prova decorreu (por volta dos 700m). Mesmo assim, e apesar do ritmo lento em que fiz a prova, cometi um erro grave de 4’ no ponto 22 devido a quebra na concentração, tendo perdido aí algumas posições na classificação final. Fiz 54’33” e fiquei em 24º entre 31 atletas.

No domingo decorreu a prova de Sprint com 3,5Km na vila de Alijó. O mapa pareceu-me bastante bom para uma prova de sprint urbano, com inúmeros jardins, escadas, esquinas, passagens estreitas, mercados, etc, mas o percurso deixou algo a desejar pois não permitia grandes opções. Fiz uma prova limpa (ao meu ritmo hehe). Fiz 17’40” e fiquei em 17º entre 29 atletas.
Infelizmente, o correr em piso duro e o subir e descer de escadas fez ressurgir a dor no joelho, pelo que optei por não participar na prova de segunda para não agravar a lesão.

Foi mais um bom fim de semana de Orientação e ainda houve tempo para uma visita ao Pinhão e a algumas vinhas da área 😉 (as uvas eram bem boas!).





Portugal O’Summer

10 10 2009

PICT6789

Aproveitei uma semana de férias para participar no Portugal O’ Summer. Foi excelente! Tanto em termos de treino técnico e físico como de relaxamento após 18 meses de trabalho sem grandes pausas! Da parte da manhã orientação em excelentes mapas e com óptimos percursos, da parte da tarde praia e descanso!

Após quatro provas de treino durante a semana (uma distancia longa, duas médias e um sprint) surgiram as provas que realmente contam.

No sábado, decorreu a primeira prova daquela que vai ser uma longa época de 2009-2010. Foi uma distância longa de 14,4 Km em terrenos arenosos (nos meus tempos de H21A isto chamava-se Ultra-Longa). Fiz 2h06m. Fiquei em 21º em 36 atletas . Esta prova correu bem, mas penso que sou capaz de bastante melhor! Em termos físicos uma prova de distância longa continua a ser bastante dura para mim mas já me senti melhor do que em provas longas da época transacta. Em termos técnicos julgo que melhorei as minhas opções nas pernadas longas e fiz uma prova globalmente boa, com apenas um erro de 1’30” para o ponto 4 (má leitura do relevo) e outro de 1’15” para o penúltimo ponto (cansaço…).

No domingo a prova foi de distância média, com 6,2Km, num mapa que é sem dúvida um dos mais técnicos em Portugal. A prova de sexta-feira tinha decorrido noutra parte do mesmo mapa e nos primeiros 8 pontos tinha andado completamente aos papéis! Para evitar esta situação, no domingo entrei bastante lento fazendo os primeiros pontos com calma, essa estratégia permitiu-me ganhar confiança e acabei por fazer uma boa prova, apenas com pequenas hesitações para o 3º e 17º pontos e um erro de 1’30” no ponto 8. Resultado final: 51’22”, 14º lugar entre 35 atletas.

A má notícia do PT O’ Summer foi uma lesão no joelho que resultou, após uma visita ao ortopedista, em 4 semanas de paragem… e regresso ao ponto de partida em termos de forma física 😦

A parte boa é que cada vez gosto mais disto! 🙂





Rescaldo 2008-2009

8 09 2009

Esta foi a minha primeira época no escalão de Elite. A primeira metade da época foi de adaptação a novas exigências técnicas e físicas. De facto a diferença entre H21A e H21E é brutal. Em Elite qualquer pequeno erro significa a descida de várias posições na classificação final, e um erro de 1 ou 2 minutos numa prova de sprint significa que vais ficar em último :). H21E é um escalão bastante mais competitivo e os percursos são de facto mais interessantes (há claramente uma grande preocupação dos traçadores com os percursos de Elite).

Em balanço, penso que consegui resultados razoáveis em algumas provas de distância média, mas nas provas de distância longa a falta de treino físico vem ao de cima e os resultados foram péssimos… concluí portanto que não vale a pena estar em Elite se não se treinar nem que seja um bocadinho… (conclusão inteligente!).

No entanto, a época 2008 – 2009 ficou marcada por uma lesão que me impediu de competir a partir de Fevereiro, ou seja, perdi mais de metade da época. Foi também a primeira época (após 8 anos de orientação!) em que tive receio de ir sozinho para a montanha, de facto, a lesão que tive tratou-se de um traumatismo craniano na sequência de um acidente de viação. Fiquei 3 meses com fortes dores de cabeça e sem poder fazer esforço físico. No entanto, o vicio da orientação foi mais forte e fiz algumas provas em OPT a passo, algumas vezes acompanhado, outras sozinho, e foi nestas últimas em que o desconhecimento da minha verdadeira situação física me provocou algum receio de que alguma coisa de errado pudesse acontecer… É uma situação bastante “chata” (para não dizer outra coisa..) estar com fortes dores de cabeça, sentir tonturas, e os médicos dizerem simplesmente que “é normal num caso destes, e que vai passar… só não se sabe se demora 3 semanas ou 3 meses…”. No meu caso durou 3 meses.

Assim, a única prova em que competi em H21E após o acidente foi o Campeonato Nacional Absoluto. A qualificação não correu nada bem. Devido à minha péssima forma física na altura e ao forte calor que se fazia sentir (temperaturas acima dos 40ºC ) fiz a segunda metade da prova a passo, completamente exausto e obviamente fiquei fora da final A…

Fica a experiência da primeira metade da época, e o melhor é mesmo esquecer a segunda metade!

Apesar disto consegui garantir a manutenção no escalão H21E, o que me permite indicar os seguintes objectivos para a época de 2009 – 2010:

– terminar no top15 da TP (vai ser complicado já que este ano o escalão de Elite tem, na minha opinião, o melhor conjunto de atletas de sempre. Espera-se portanto uma época muito competitiva)
– ir à final A do Camp. Nac. Absoluto;
– ter uma média superior a 75 pontos no Ranking da TP;
– participar numa grande competição no estrangeiro;

Claro que tudo isto só será possível com uma grande melhoria da condição física e continuo aperfeiçoamento do factor técnico!